4 lições que aprendemos com as startups

...

Muito tem se falado, literalmente, sobre empreendedorismo. Em uma pesquisa rápida no Ubersuggest, descobrimos que o termo "empreendedorismo" foi pesquisado mais de 165 mil vezes, só no Brasil, entre os meses de julho e agosto de 2020. Isso explica o bombardeio diário na TV e nas mídias sociais de novas soluções que prometem ser as mais novas empresas de 1 bilhão de dólares do mercado (os chamados "unicórnios").

Essas empresas de rápido crescimento, as chamadas startups, estão invadindo todas áreas possíveis e imagináveis como educação, tecnologia, finanças, agroindústria, sáude etc. Com uma cultura altamente disruptiva, estão incomodando grandes players, mudando mercados e gerando inovação. Algumas das maiores empresas do mundo já foram, ou ainda se consideram startups, como Amazon, Google, NuBank, etc.

Mas afinal, o que é uma startup?

Segundo Eric Ries, escritor do livro Lean Startup, um dos livros mais famosos sobre o assunto, "uma startup é uma instituição humana projetada para criar novos produtos e serviços sob condições de extrema incerteza". Em outras palavras, são ideias novas que podem gerar muito dinheiro - mas também podem dar em nada.

Por essas e outras razões, esse tipo de empresa desenvolveu uma nova forma de gerir e pensar os negócios. Com uma cultura inovadora, disruptiva e um forte senso de colaborativo, essas organizações estão no ápice. No que diz respeito aos modelos de gestão, e o que é mais interessante, é que podemos aprender muito com a forma startup de ser e gerir. Qualquer grande empresa entende muito bem do seu expertise, porém se não se adaptar e abrir a mente para aprender com as novas tendências de mercado, ficarão obsoletas e perderão sua relevância.

Pensando nisso, criamos uma lista com quatro lições básicas que aprendemos com as startups. Vamos lá?

1. Comece pelo porquê

Em primeiro lugar, saiba o porquê você está fazendo o que faz. Entender isso vai fazer você focar no que de fato é importante para o seu negócio e, principalmente para o seu cliente. O Simon Sinek, autor do livro Comece Pelo Porquê, diz que "pessoas não compram o que você faz, mas o porquê você faz".

Empresas são marcas, portanto, devem ter suas promessas e propósitos muito bem definidos e, de forma autêntica, devem apresentar suas diferenças de mercado e o que se propõem a fazer.

Ah, e para quem quer saber um pouco mais sobre o livro do Simon Sinek, "Comece Pelo Começo", aí vai um excelente podcast com o resumo do livro. Vale muito a pena ouvir.

2. Não tenha colaboradores, tenha co-sonhadores

Em segundo lugar, garanta que estará cercado por pessoas que compartilhe da mesma visão. Do mesmo sonho. Comprovadamente os seres humanos agem por um forte senso de propósito. Pessoas que fazem o que gostam são mais produtivas e criativas, sempre dispostas a trabalharem em novos desafios da empresa como se fossem seus.

É muito comum em startups os colaboradores adotarem os projetos de crescimento da empresa como metas de vida, pois entendem que estão construindo algo de valor e quem tem uma essência compartilhada.

Não é uma projeto do CEO, ou do Diretor. É um projeto de todos.

Um excelente passo para atrair pessoas de alta qualidade técnica e com um forte senso de propósito alinhado com a empresa é buscar se tornar um good place to work, ou seja, um bom lugar para se trabalhar.

3. Seja extremo

"O homem razoável se adapta ao mundo; o irascível tenta adaptar o mundo a si próprio. Assim, o progresso depende do homem irascível." George Bernard Shaw

Empreendedores de negócios de alto risco e incerteza como os startupeiros têm uma característica essencial que é a falta de razoabilidade. Pessoas que não se acomodam com uma realidade e buscam mudar. Nunca se conformar. Sempre se adaptar.

O comportamento extremo de pessoas "irascíveis", como diria o Shaw, principalmente em tempos de instabilidade e incerteza, nunca se fez tão necessário para sobrevivência de qualquer negócio.

4. Cuide de pessoas

Este último ítem é, na minha opnião, o mais importante. O cliente é a razão de existir de qualquer negócio, e independente se seu cliente é outra empresa, por trás de todo gestor existe uma pessoa. Portanto, criar soluções baseadas nas dores e desejos de pessoas reais é essencial para qualquer empresa. Na verdade, é imprescindível cuidar de qualquer pessoa que esteja ligada à sua empresa, seja ela colaboradora, cliente ou cliente do cliente, afinal, pessoas é o core de qualquer negócio.

Estas foram apenas algumas das muitas lições possíveis que podemos tirar dessa nova realidade que vem dominando o mundo - as startups. Neste momento, nos resta apenas buscar melhorar e aprender cada vez mais com quem faz acontecer. Portanto, exercite seu olhar inovador!

Yuri
Yuri Soares é designer e mestrando em inovação
31 Agosto de 2020